E eu que era emo?!

Parabéns, ó brasileiros, já com garbo juvenil 🎵

Garbo a gente nem faz ideia do que seja, mas juvenil… quem não é já foi um dia, né mores?

Aqui no office, setembro mostrou que além da independência da coroa portuguesa, o pessoal também se libertou das franjinhas laterais e das fotinhas fazendo estrela com os dedos da turma do all star.

Se bem que nem tanto, já que ninguém aprendeu a dizer adeus às músicas de melodias melancólicas e emotivas que embalaram muitas noites em claro na adolescência.

Falando nisso, foi em 2007 que o nosso delivery moderninho, o aiqfome, pintou no pedaço, em plena efervescência do rock nacional.

By the way, a era emo não foi só marcante por ter revolucionado nossa forma de pedir comida, mas também porque criou uma sociedade alternativa, que falava sobre sentimentos e trazia uma mudança de energia no pop punk que comovia a juventude e ajudava a galera a se expressar.

Eu acredito que foi só um delírio coletivo do qual fizemos parte mesmo, hahaha (brinks).

Há até quem diga que o emo de ontem é o indie de hoje. E para ver se isso procede, roubamos algumas fotos de antes e depois dos nossos fomers para avaliar.

é a neve do aiqfome

sofria ao som de Hallelujah do  Paramore

é o henrique do aiqfome

 ainda chora por Helena do My Chemical Romance

é a vivs do aiqfome

não contou pra ninguém o Dirty Little Secret do The All-american Rejects

é a karol do aiqfome

foi alguém que fez alguém sorrir ao som de Fresno

É a anny do aiqfome

continua believe no som do Good Charlotte

Para finalizar, aqui vai um pedido de socorro:

NÃO DEIXEM ESSE VÍDEO MORRER

Fique com essa playlist MALAVILOSA

curte e compartilha aê